APOIO SOCIOEDUCATIVO



O trabalho realizado na valência Sócio Educativa visa apoiar o desenvolvimento físico e psicológico das crianças e jovens com deficiência e/ou incapacidade, através de respostas adequadas às respetivas problemáticas e capacidades com o fim de fomentar ao máximo as suas competências funcionais e autonomia, perspetivando a sua integração em áreas de formação profissional ou termos de atividades ocupacionais.


Filipa EscudeiroCoordenadora







A Valência Apoio Socioeducativo é uma resposta no domínio do Ensino Especial destinada a crianças e jovens, dos 06 aos 18 anos, com deficiências e ou incapacidade.
A sua Missão é habilitar os seus alunos de competências transversais na área pessoal e social considerando e respeitando a sua capacidade e individualidade.

Cada aluno tem o seu PEI – Programa Educativo Individual – cujo currículo é elaborado pela equipa interveninete junto do aluno (docentes, técnicos e auxiliares pedagógicas) em articulação com a família, que expressa as suas expectativas face ao seu educando.

Os alunos estão distribuídos em grupos que trabalham áreas distintas, de acordo com as suas necessidades e expectativas, tentando sempre promover os níveis de qualidade de vida.



A Escolariedade no Cire

O trabalho a realizar com os nossos alunos é planeado em equipa multidisciplinar, entre professores, técnicos, auxiliares e família, respeitando as necessidades e expectativas de cada aluno, espelhadas no PEI – Programa Educativo Individual. É este documento que carateriza o aluno e define o trabalho a realizar em sala de aula, na escola e nas terapias.

Os alunos estão divididos em grupos de trabalho, tendo em conta as suas características, permitindo assim um apoio individual, estruturado, de rotinas, num ambiente tranquilo de ensino/aprendizagem.

Grupo 1

O Grupo Um tem como responsável, a professora de Educação Especial Elsa Segorbe e reúne alunos com paralisia cerebral, autismo, hiperatividade e atraso global do desenvolvimento, com lesões cognitivas severas, bem como dificuldades motoras, estando dependente do adulto para todas as tarefas.
Cada aluno tem um horário de trabalho com atividades diárias que passam pelos cuidados básicos de higiene, como controlo dos esfíncteres, mudança de fralda, lavagem dos dentes e rosto, vestir, despir, alimentação, bem como várias terapias (terapia da fala, hipoterapia, hidroterapia, fisioterapia), estimulação sensorial em sala de aula e na sala de snoezelen. Assim sendo, o apoio dado aos alunos do grupo um é sempre feito de forma individual, desenvolvendo um trabalho cognitivo e sensorial, partindo das áreas fortes dos alunos até às áreas fracas ou com mais dificuldade, através da utilização de materiais pedagógicos adequados e próprios para cada caso (Stading Frame, Big Mac, cadeira de rodas, jogos adaptados, material específico de educação especial).
É através dos sentidos que estes alunos aprendem e conhecem o mundo que os rodeia. Diariamente a professora explora com os alunos atividades ricas na estimulação sensorial com sons, cores, cheiros, vivências, músicas, objetos e experiências.

Grupo 2

O Grupo Dois tem como responsável a professora de Educação Especial Isabel Neves que reúne seis alunos com idades compreendidas entre os sete e os quinze anos. Trata-se de um grupo heterogéneo, com problemáticas como défice cognitivo, atraso global de desenvolvimento, graves perturbações ao nível da comunicação e linguagem, perturbação de hiperatividade como défice de atenção tipo misto (desatenção e impulsividade), epilepsia grave, Síndrome de Joubert e Perturbação do Espetro do Autismo, todos com motivações, interesses, necessidades e ritmos de trabalho diferentes.
As atividades letivas são organizadas e preparadas mensal e diariamente, tendo em conta o Programa Educativo Individual de cada aluno, o Plano Anual de Atividades e o Projeto Educativo. Sempre que se proporcione, poderão ser feitas outras não previstas inicialmente. Os alunos usufruem também de terapias como Terapia da Fala, Psicologia, Hidroterapia, Fisioterapia e Hipoterapia, Psicomotricidade, desempenhadas por profissionais da Instituição.
Em sala de aula realizam atividades de acordo com as suas competências e necessidades como grafismos, treino e aprendizagem da escrita do nome, identificação de letras e números, jogos de separar/guardar, jogos de encaixe, enfiamentos e de solicitação, com o auxílio de material manipulativo e de cartazes. Nas atividades sensoriais usam diferentes brinquedos ou objetos que estimulam o tato, os sons, os cheiros e a visão.
Neste grupo desenvolve-se ainda a autonomia com atividades do dia-a-dia como o abotoar/desabotoar, vestir/despir, fechar/abrir fechos ou molas, treinando também a motricidade fina. Aprendem a cuidar da sua higiene pessoal e ainda a confecionar refeições simples com ajuda.

Grupo 3

O Grupo Três tem como responsável a professora de Educação Especial Ana Rita Marques e é constituído por crianças e jovens com idades compreendidas entre os 13 e 18 anos. Neste grupo existem problemáticas como o Síndrome de Joubert, epilepsia grave, atraso global do desenvolvimento e hiperatividade. Cada aluno desenvolve atividades de acordo com o seu PEI no âmbito da Escolaridade. No que concerne às atividades terapêuticas, tal como nos outros grupos da valência, os alunos beneficiam de sessões de Fisioterapia, Hidroterapia e Natação Adaptada, Hipoterapia, Psicologia, Terapia da Fala. Desenvolvem com a sua docente a prática de Educação Física, e promove-se de forma muito acentuada a sua autonomia, principalmente em termos de aprendizagem e desempenho de atividades de vida diária (AVD), a par das atividades expressivas. A promoção e sensibilização para a importância do comportamento e do reconhecimento de competências sociais básicas é algo que é transversal em termos de trabalho, sendo resultado de todos os intervenientes neste processo que em equipa procuram reforçar este domínio.
A professora apoia os alunos de forma individual ou em grupo, consoante a atividade, utilizando material educativo manipulável, concretizando as aprendizagens e recorrendo frequentemente aos materiais audiovisuais (computa-dor), métodos de ensino e valorizando sempre as suas competências, potenciando o seu nível de autonomia, perfil de funcionalidade e melhorando assim a sua qualidade de vida.
Ao longo do percurso escolar e de acordo com as suas características, os alunos realizam despistes vocacionais na área mais adequada, no sentido de aferir um possível encaminhamento para a formação profissional, vislumbrando uma eventual integração no mercado de trabalho.
Frequentemente realizam-se também saídas da escola com todos os alunos, para participarem em atividades da comunidade escolar, do município ou outras.
Dinamizam-se com regularidade visitas a espaços públicos, como é o caso da Biblioteca Municipal ou até mesmo à Casa do Guarda, na Mata dos Sete Montes para aí participarem nas diferentes ofertas educativas. Ainda se organizam atividades de lazer ao ar livre, na natureza e visitas de estudo. De realçar que todas estas atividades são pensadas e concretizadas de acordo com o Plano Anual de Atividades e o Projeto Educativo.